…Informação para Refletir e Crescer…

Amor se mede?

Imagem

Hoje em uma conversa edificante com uma profissional da área de Psicologia, saiu a frase : “não devemos condicionar o amor que acreditamos receber e o que doamos, de acordo com as respostas das pessoas”.

Achei um tanto profunda a frase e embora pareça óbvia, ficou ecoando durante o dia na minha mente.. Para desocupar um pouco ela, resolvi escrever um pouquinho aqui.

Você já se pegou contabilizando o quanto aquela pessoa( pai, mãe, irmã, namorado, marido) te ama?

Tipo: ah.. ele não lembrou dessa data, então não tem consideração por mim.

Ou : ele não fez isso, que é importante pra mim, então não me ama!

E ai baseada nessa viagem desnecessária, planejou todos os seus passos para com o indivíduo, na busca de “dar o troco”ou não se sentir por baixo.

Gente… isso é tão comum!!! Não importa idade.. sexo.. ou maturidade.. percebo que a grande maioria, para não dizer todos, faz um pouquinho isso. Ai lembrei de uma leitura recente que fiz : “A raiz da rejeição” de Joyce Mayer. Que fala bem sobre comportamentos que são baseados em – rejeição – o quanto é importante nos conhecermos bem, para sabermos lidar com o outro com tranquilidade.

Sim, eu sou super a favor da tranquilidade. Tenho descoberto não saber viver sem ela… já diz a música :

“Tudo é uma questão de manter,

a mente quieta, a espinha ereta,

e o coração tranquilo.”

Então, porque fazemos isso de medir o amor que o outro tem por nós pelas suas respostas/ ausências/ presenças/ presentes/ ações?

Acredito eu, que na insegurança de vivermos na raiz da rejeição sem sabermos, necessitamos por a régua a todo instante para nos certificarmos de que está tudo “sob controle”. E quem disse que o amor precisa de controle?! Ele precisa de liberdade… de maturidade… de um coração aberto. Pois sem liberdade o amor não flui. Sem maturidade ele não é percebido, e em um coração fechado, ele não entra.

Devemos ser positivos. Termos fé. Se o outro diz que nos ama, que acreditemos. E não fiquemos medindo os passos dessa pessoa tentando achar como que num “jogo dos 7 erros” o motivo dessa pessoa merecer nossa hostilidade, revanche ou qualquer outra coisa vinda de uma vibe que nada, nada, nada edifica! Nem a quem sente, nem a quem é ofertado.

Falamos muito de evoluir…

Nos gabamos muito pelo quase nada que fazemos…

E na hora H de amar, cadê nosso ser capaz?!

Onde esse herói escondeu suas forças?

Hoje eu me desafio a encontrar esse personagem dentro de mim que é capaz de ter tanta paz, que consegue amar!

E você, também quer achá-lo?!

Boa reflexão…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: